Escola Federal Do Pará

30 Mar 2019 16:04
Tags

Back to list of posts

<h1> Voc&ecirc; Sabia Que N&oacute;s Aprendemos Por Agrega&ccedil;&atilde;o? P&oacute;s-gradua&ccedil;&atilde;o</h1>

<p>O n&uacute;mero de Angolanos que residem em terras brasileiras disparou nos &uacute;ltimos 5 anos. Diversos migram para o Brasil n&atilde;o s&oacute; a busca de melhores condi&ccedil;&otilde;es de exist&ecirc;ncia, todavia tamb&eacute;m pra melhores condi&ccedil;&otilde;es de estudo. De acordo com uma busca realizada pelo Minist&eacute;rio da Justi&ccedil;a em 2014, viviam no Brasil cerca de 12,cinco 1000 angolanos, sendo 3,7 1000 residentes.</p>

<p>Hoje em dia, este n&uacute;mero ser&aacute; capaz de ser ainda maior. V&aacute;rios buscam o Brasil pela facilidade na linguagem e tamb&eacute;m na aproxima&ccedil;&atilde;o cultural. Como Estudar Para Concurso P&uacute;blico , diversos Angolanos buscam especializa&ccedil;&otilde;es e outras &aacute;reas de estudos no Brasil. Existe grande procura pelas modalidades de Cursos de P&oacute;s-gradua&ccedil;&atilde;o, Mestrados, Doutorados e P&oacute;s-doutorados no Brasil. Diante desse cen&aacute;rio, o Instituto de Educa&ccedil;&atilde;o Superior Latino-americano - IESLA, por interm&eacute;dio de projetos, tornou ainda mais pratic&aacute;vel os estudos do p&uacute;blico angolano no Brasil.</p>

<p>Dra. Sara Bernardes, presidente do IESLA. A parceria entre o IESLA e a Angola est&aacute; ainda mais robusto. Visando a toda a hora a acessibilidade a cada um dos p&uacute;blicos &aacute;vidos pelo entendimento qualitativo, o IESLA vem escrevendo uma hist&oacute;ria de parceria bem sucedida na Angola. Prontamente, agora s&atilde;o dezenas de angolanos rumo a uma nova qualifica&ccedil;&atilde;o e at&eacute; mesmo a defesa da t&atilde;o sonhada disserta&ccedil;&atilde;o de mestrado ou tese de doutorado.</p>

<p>Segundo Freitas, o mercado recinto costuma receber bem profissionais que t&ecirc;m s&oacute; bacharelado, sem obrigatoriedade de mestrado ou doutorado. Contudo, &eacute; preciso ter no m&iacute;nimo cinco anos de profiss&atilde;o. No instante, diz o especialista, as &aacute;reas mais quentes pra estrangeiros pela Coreia do Sul s&atilde;o finan&ccedil;as, design, manufatura, ind&uacute;stria automobil&iacute;stica e avia&ccedil;&atilde;o.</p>

<ul>

<li>Confira lista com os 4 melhores cursos de Publicidade e Propaganda do Brasil</li>

<li>Arthur Aguillar, 23 anos zoom_out_map</li>

<li>um CARACTER&Iacute;STICAS DO QUESTION&Aacute;RIO DA Procura DE CLIMA ORGANIZACIONAL</li>

[[image http://kids.com.pt/wp-content/uploads/2016/03/Screen-Shot-2016-03-20-at-01.19.38.png&quot;/&gt;

<li>Experi&ecirc;ncia profissional - Professional background</li>

</ul>

<p>Como em outros pa&iacute;ses escandinavos, o mercado de trabalho local &eacute; aberto a profissionais de tecnologia, sa&uacute;de e desenvolvimento de novos rem&eacute;dios. &Eacute; preciso ter pelo menos mestrado. Tamb&eacute;m &eacute; s&eacute;rio ser resistente ao frio: os term&ocirc;metros suecos conseguem despencar a at&eacute; 53 graus negativos no inverno. De acordo com Leonardo Freitas, da Hayman-Woodward, o estrangeiro evidentemente conta com mais oportunidades se fala sueco, contudo domar o idioma ingl&ecirc;s costuma ser o bastante pras rela&ccedil;&otilde;es profissionais. N&atilde;o &eacute; de se estranhar: a Su&eacute;cia est&aacute; em Dicas Para Se Conceder Bem Pela Escola - Blog ranking dos pa&iacute;ses que melhor falam o ingl&ecirc;s como l&iacute;ngua n&atilde;o-materna.</p>

<p>O pa&iacute;s investe pela atra&ccedil;&atilde;o de profissionais estrangeiros, principlamente para as &aacute;reas de engenharia, constru&ccedil;&atilde;o civil, ind&uacute;stria sider&uacute;rgica e metal&uacute;rgica, fisioterapia e suporte a profissionais do esporte. &Eacute; preciso ter ao menos bacharelado. O dom&iacute;nio do russo &eacute; desej&aacute;vel, por&eacute;m n&atilde;o obrigat&oacute;rio, segundo Conselhos Que V&ecirc;m De Cambridge Para Eduardo Campos . “Para se conceder bem, voc&ecirc; necessita ser apto de se ajustar logo &agrave; cultura local, bem mais en&eacute;rgica do que a nossa”, anuncia o especialista.</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License